Ciência e pesquisa na Suíça – Fatos e Números

A Suíça representa um papel importante na pesquisa a nível internacional e faz parte dos países mais competitivos do mundo.

Rolex Learning Center da Escola politécnica de Lausanne
O Rolex Learning Center do ETH Lausanne foi inaugurado em 2010. A biblioteca contém uma das coleções mais abrangentes de literatura científica em toda a Europa. © EPFL

  • A Suíça é um dos países com a mais dinâmica capacidade de pesquisa. São investidos em Pesquisa e desenvolvimento 3,4% do seu PIB. Na comparação internacional, é um dos países que mais investe em pesquisa e desenvolvimento em relação ao seu PIB (4º posto dos países da OCDE).

  • Em termos quantificáveis, a Suíça gasta 22 bilhões de Francos em pesquisa e desenvolvimento. A maior parte é financiada (86%)e executada (71%) por empresas privadas.

  • A participação da Suíça no volume global de publicações é de 1,2%, porcentagem que a classifica em 17º lugar no ranking internacional. Em relação à sua população, a Suíça é o país mais produtivo, com 3,9 publicações por cada 1000 habitantes. Estas publicações são altamente reconhecidas internacionalmente: O seu impacto é superior à média mundial de 17% (3º lugar atrás dos Estados Unidos e da Holanda).

  • Em 2016 foram registradas pela Suíça 892 patentes por cada milhão de habitantes no Escritório Europeu de Patentes (EPA).

  • No relatório do Fórum Econômico Mundial (FEM) sobre a competitividade global, em 2016-2017, a Suíça ficou em primeiro lugar pela oitava vez consecutiva.

  • A Suíça obteve também o primeiro lugar no Índice Global de Inovação 2016, emitido pela Universidade Cornell, na INSEAD e na Organização Mundial da Propriedade Intelectual (WIPO).

  • Sob encargo da Confederação Suíça, a Fundação Nacional de Ciências da Suíça (SNSF) financia pesquisas em todas as disciplinas científicas - de história a medicina e engenharia.

  • A Agência Suíça de Promoção da Inovação - Innosuisse  (antiga Comissão para Tecnologia e Inovação, KTI) apoia a pesquisa orientada para a aplicação e promove a educação, bem como a entrada no mercado sustentável de start-ups e a transferência de conhecimento e tecnologia. Em 2017, 414 projetos foram apoiados com uma contribuição federal de 132.1 milhões de Francos.

  • Ambas as Escolas Politécnicas Federais de Zurique e de Lausana obtiveram uma reputação mundial graças a seus feitos nas ciências naturais. O empenho de investigadores e docentes estrangeiros tem uma longa tradição nos dois institutos: a porcentagem de estrangeiros em ambos os corpos docentes é superior a 60%.

  • A Escola Politécnica Federal de Zurique é a oitava melhor escola superior universitária do mundo, segundo o ranking da QS de 2016.