Política externa

A Suíça mantém fortes relações com a União Europeia e, em particular, com seus países vizinhos.

Didier Burkhalter saúda o ministro das relações exteriores da Polônia Grzegorz Schetyna com aperto de mão
Didier Burkhalter saúda o ministro das relações exteriores da Polônia Grzegorz Schetyna. © FDFA, Presence Switzerland

A política externa serve para proteger os interesses suíços, a independência, a prosperidade e a segurança do país. Além disso, deve promover os valores da Suíça: direitos humanos, democracia, paz, alívio do sofrimento e minimização da pobreza, bem como a proteção do ambiente. 

A neutralidade, que proíbe a Suíça de participar em conflitos armados e em alianças militares, é igualmente um pilar importante da política externa suíça. Ela representa uma das bases da Genebra internacional, da tradição humanitária, bem como do papel da Suíça como mediadora em regiões de crise e conflito. 

Como país Não-Membro da União Europeia mas localizada no centro da Europa, a Suíça presta especial atenção às suas relações com os países vizinhos. Em relação à UE, foram estabelecidos uma série de acordos bilaterais, finalizados entre 1999 e 2004. 

Relatório sobre as prioridades da política externa 2016-2019 

Em 2016, o Conselho Federal aprovou a Estratégia de Política Externa da Suíça 2016-2019:

  1. União Europeia e Estados-Membros da UE/EFTA: As relações da Suísa com os Estados-Membros da UE/EFTA considerando especialmente os países vizinhos, devem ser fortalecidas. Deve ser assegurada uma relação com a UE com capacidade para se desenvolver. As boas relações com a UE são a condição para uma boa cooperação em inúmeros setores políticos, que contribui para o fomento da prosperidade e segurança.
  2. Parceiros globais: A Suí a não é membro da UE, da OTAN, nem do G20. Por isso e face às deslocações de poder globais, o aprofundamento da rede de relações com parceiros globais é o principal interesse da Suíoa, como salvaguarda dos seus interesses e para solucionar problemas concretos. Devido ao peso político e econômico de organizações regionais, a Suísa visa aumentar sua presença também nessas instituições.
  3. Paz e segurança: Sendo um país fortemente globalizado com uma economia orientada para a exportação, a Suí,a precisa de um ambiente estável e de uma ordem internacional justa para sua segurança e prosperidade. Por isso, é indispensável que a Suíea colabore na moldagem do seu ambiente através de um engajamento abrangente e criativo. Por exemplo, no tratamento de crises e conflitos, a Suí a apoia a área da mediação.
  4. Desenvolvimento sustentável e prosperidade: Os objetivos globais para o desenvolvimento sustentável (Agenda 2030) serão parte integrante da cooperação internacional da Suí a. A Suí.a estabelece suas prioridades onde tem a capacidade de criar mais-valias, por exemplo, na formação profissional ou no desenvolvimento de comunidades. Mas também fazem parte a ajuda humanitária, medidas de política econômica e comercial na cooperação ao desenvolvimento, a colaboração à transição, bem como as medidas para o fomento da paz e da segurança humana. Para salvaguardar sua prosperidade, a Suí a visa um impacto maior, ao nível internacional, na elaboração de regras e padrões. Simultaneamente, pretende promover ainda mais a Suísa como local de economia, ciência e pesquisa científica.

Informações adicionais